Quer estar em dia com meus textos e vídeos, saber antes dos workshops e receber descontinhos exclusivos?

Dúvidas? Fale comigo no bruna@brufioreti.com.br e me acompanhe pelas redes sociais.

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

16 perguntas que sempre me fazem sobre redes sociais respondidas

August 20, 2018

Separar ou não redes pessoal e profissional? Fazer feed organizado? Legenda grande ou pequena? Usar emojis na Bio? Logo ou foto de perfil? Bem, eu normalmente devolvo a pergunta quando vem uma desse tipo aí e por uma razão simples: depende! Seu posicionamento como profissional, seu estilo e principalmente seus objetivos com as redes sociais são a melhor fonte para este tipo de resposta. Ainda assim, claro, eu tenho cá minhas opiniões. E este post é para falar sobre elas. 

 

Primeiro porque o blog é meu e se você está aqui já entendeu que isso aqui não é verdade absoluta, é um texto opinativo de uma pessoa que trabalha com comunicação e coaching e não gosta de ficar em cima do muro -- pelo menos pessoalmente nunca fico, aqui na internet cuido mais das opiniões que dou... rs

 

 

Segundo porque vou lançar ainda neste mês meu Curso 100% Online de Branding Pessoal, no qual vou oferecer TODAS as ferramentas para que todo mundo que está aqui me lendo possa encontrar as respostas por si mesmo. O que é o mais efetivo, certeiro e inteligente, sempre. Aí, se quiser, pode mesclar essas opiniões aqui com tudo o que vai se aprofundar nos 7 módulos de autoconhecimento, autocoaching e estratégia de branding que criei pra você. 

 

Estamos combinadas?


E agora vem cá ter esse papo reto comigo, vem... 

 

  1. Separar ou não redes pessoal e profissional? Sempre que possível, acho uma rede social só melhor para engajar, aproveitar o público que já tem e economizar tempo, porque gerenciar mais de uma rede dá trabalho. Mas se for pra fazer uma rede que seja bem portfólio ou se quiser postar loucamente sua vida pessoal e isso não casar bem com seu posicionamento profissional, vale separar. 

  2. Preciso ter um site ou rede social basta? Rede social basta para muita coisa, mas quando se fala em empresa muita gente ainda dá mais credibilidade quando ela tem um site. Pesquisas com consumidores mostram isso. Só não acho que precisa esperar o site ficar pronto para começar seu projeto, sabe? Vira mais um entrave, uma desculpa que qualquer outra coisa. Começa, vai testando, aí o dinheiro vai entrando e você manda ver num site bonitão... 

  3. Fazer feed organizado é bacana? É bonito, claro, mas não é uma condição essencial, muito menos uma baita tendência. Já foi, não é. Pode travar suas postagens e a menos que faça MUITO sentido para a sua marca, vai ser um trabalho a mais que não engaja. As pessoas tendem a curtir fotos mais reais, já ouvi isso de tantas Youtubers que nem sei... E como engajamento é megaimportante, repense essa fissura pelo feed lindo, porque ele também fica mais frio, menos espontâneo e menos verdadeiro. "Ah, mas eu sou uma marca de moda." "Ah, as marcas com que trabalho valorizam isso." São casos específicos que pedem que a vida real fique restrita aos Stories. Mas no que acredito é: a tendência é ser autêntico. Quanto tempo mais você vai aguentar ver vidas, corpos e imagens tão irreais pelo Instagram? Vai ter espaço para mais coisa do que só lindeza, filtro e perfeição, sabe? Teste e encontre um caminho seu, meu bem. 

  4. Melhor legenda grande ou pequena? Eu gosto de legenda que diga alguma coisa, que seja de fato uma legenda. Mas Instagram não é blog, texto que continua nos comentários... quem lê? Acho que tem um outro caso, mas em geral eu evitaria. Eu mesmo sou palavrosa, é meu jeito, minha marca, então... dale. Mas acho que concisão é vencedora nas redes. Mais dicas.... Passe um conteúdo por vez, de uma a 3 dicas, não precisa colocar 10 tópicos num post, senhor!  Ah, eu não sei você, mas eu detesto quando colocam piada interna em rede social aberta, acho legal cuidar disso se for usar a rede de um jeito mais profissional. No Face, vale texto maior sim, é um bom lugar para isso. 

  5. Usar emojis infantiliza? Não acho, emoji virou linguagem universal. Pra mim tá tudo bem. 

  6. O que devo colocar na Bio do Instagram? Algo direto e claro que, se as pessoas baterem o olho, vão entender o que quer dizer. Isso pra você que quer deixar claro seu posicionamento como marca profissional pelas redes, tá? Porque a Bio é um resuminho, um cartão de visitas seu. Coloque a profissão, as áreas em que atua, algo que deixe evidente o que tem a oferecer na vida ou o conteúdo que vai oferecer ali na rede mesmo. Deixe um contato ali também.

  7. Melhor colocar logo ou foto de perfil? Acho que colocar a marca em vez da cara da pessoa afasta, quando a empresa é você ou tem o seu nome. E sendo honesta pouquíssimas (logo)marcas são tão geniais a ponto de merecerem esse destaque todo. Retire seu apego de cena e pense se seu rosto não é um cartão de visitas melhor. Pessoas se aproximam de pessoas... Para marcas maiores ou projetos com nome próprio, aí é ok porque eles querem ser reconhecidos justamente pela identidade visual criada. 

  8. Acha uma boa comprar seguidores e curtidas? Eu trabalho com branding pessoal, então é lógico que acho uma ideia ruim. Não faço, tô lá meio paradona em números, as curtidas variam horrores -- indiquem @brufioreti me ajudem a mudar isso! haha -- mas não acredito em fakes, porque eles não constróem marcas, não ajudam no que me interessa, que é o longo prazo e a credibilidade. Mas muuuiiiita gente faz? Ô se faz. Ou fez até virar gigante e aí a coisa fluiu. Tem compra de seguidor, curtida, visualização, tudo. E tem gente que fica refém desse custo, inclusive. Tem perfis que "automatizam" isso, curtem os outros depois somem para chamar a atenção... Eu não indicaria isso a um cliente, principalmente para marca pessoal, para quem usa o perfil com a sua cara. Algumas marcas acreditam nesses números imensos e às vezes estranhos? Muitas acreditam, investem, são seduzidas por números. Fazer o quê? Você pode ficar se lamentando ou tomar uma decisão sobre esse tema. Qual caminho faz sentido para você? Qual seu foco com a rede? Construção de marca, posicionamento não tem a ver com números, mas com conteúdo, com público fiel, interação, reputação, uma série de outros fatores. Aliás, muita coisa que constrói um branding bacana pode não fazer sucesso, não dar curtida etc. É um caminho todo outro. Mas entendo as angústias das pessoas com isso, principalmente de quem perde jobs porque fulano é mais famoso nas redes. O lance é tentar se comparar menos e olhar para seu caminho. É possível, bb, pega na mão da tia... 

  9. Quantas vezes devo postar no meu feed do Insta? Eu sugiro pelo menos umas quatro vezes na semana, mas, se der, todos os dias. Melhor ter uma frequência assim que postar loucamente no dia de um evento e desaparecer a semana toda. Eu posto mais de uma vez por dia normalmente, sem vergonha e sem juízo. E quando sumo é porque apertou muito a agenda ou o extremo contrário, mas tenho um padrão de não sumir. Se você trabalha as redes como um instrumento a favor da sua marca, sugiro o mesmo. 

  10. Funciona só replicar conteúdo do Insta no Facebook? Não funciona bem, não. Mas se você só tiver tempo para fazer bem uma das redes e o remédio for replicar na outra, fazer o quê? Pode ser melhor que nada... Eu sugiro sempre escolher uma rede social para ser a sua principal, a sua darling. Porque o tempo é um recurso limitado, e não dá para fazer absolutamente tudo superbem e em quantidade se você não tiver um time. Caso tenha um timaço trabalhando pra você, faça conteúdo para tudo o que puder. Mas.... posso falar? Ainda assim, vai ver que uma rede sempre vai ficar mais bem feita. E vai ser aquela que for mais a sua cara, a cara da sua marca. 

  11. Precisa fazer Stories? Quanto? Precisa pelo menos todo dia senão você tem mais chances de sumir da vista das pessoas. A bolinha dos Stories é mais um chamariz a ser utilizado. Mas pra isso precisa postar, babe! Pelo menos uns 4 e até uns 6,7 stories para não ficar cansativo e fazer todo mundo pular. Ainda assim, as pessoas vão pular. Só pense que quanto menos pularem melhor. Só que assim: eu mesma às vezes faço bastante, às vezes faço menos, normal. Só não dá para ficar naquela lenga-lenga, naquela demora para iniciar cada frase "aaaaaaaah, então....". Aliás não façam isso no Whats App também, não. Ninguém gosta de áudio lento, pausado e muito menos gigante. Ou 7 áudios sem uma introdução por escrito para saber do que se trata.... As pessoas só não têm coragem de te dizer. 

  12. Acha que eu devo investir no IGTV? Bem, o IGTV está engatinhando, mas tem potencial, então eu não deixaria totalmente de lado. De repente produzir algum conteúdo mais tranquilão, como uma versão maior dos Stories, por ali, sei lá. Eu levei meus vídeos do Youtube pra lá criando uma edição vertical e pra ser honesta não sei ainda qualé... Na dúvida, melhor ir testando, entrando pra sondar como seu público se engaja. 

  13. Eu realmente preciso ficar postando? Ué, se você não postar provavelmente não vai "existir" no mundo online, a não ser que tenha ganhado notoriedade em alguma área e que não dependa da sua própria divulgação. Se a ideia de ter uma vida online não for atraente pra você ou não te trouxer nenhum benefício, ok, não poste, suma. Só digo sempre que usar a rede social profissionalmente envolve uma certa presença. Quem não é visto não é lembrado, não preciso te dizer isso, preciso?  

  14. Preciso fazer Youtube, não é só para um público mais novo? De fato o YouTube está cheio de gente nova, então se seu público for abaixo dos Millenials, meu amor, é um ótimo terreno. Mas é uma plataforma importante, vista pelas marcas e, sim, assistida por muitas pessoas com 20+. Então, dependendo do nível do seu negócio, recomendo, porque atrai mais gente e traz credibilidade. Produzir conteúdo é uma estratégia interessante e bem atual pra trazer relevância a uma marca, seja pessoal ou não. E o Youtube é ainda muito grande para ser ignorado. 

  15. Preciso mostrar a minha cara nas redes? Não precisa, mas se mostrar a cara de vez em quando as pessoas vão gostar, então vai engajar mais e dar mais curtidas, além de mais identidade ao seu conteúdo. Também não acho que precisa ir para o extremo oposto e só postar a sua cara, pra não ficar monótono. Como aqui é opinião, já vou falando: eu tenho preguiça de legenda poética ou motivacional com selfie sensualizando. Ah sei lá, acho melhor quando legenda e foto combinam. Mas, né, se você quer jogar uma Clarice com sua selfona se joga porque muita gente adora. Eu não. Mas eu sou seu público-alvo? 

  16. As pessoas não vão dizer que estou "me achando"? Minha resposta para isso é muito elegante: cagay se as pessoas vão achar isso! Muita gente que desdenha queria era ter coragem de fazer o mesmo. Já vi e vivi isso à exaustão para saber. Além do que se aquelas pessoas que falarem mal ou te julgarem não forem seu público/cliente, a opinião delas é irrelevante do ponto de vista do seu branding/marketing. Siga o seu caminho, use o seu bom senso, pense no seu segmento de atuação, no seu público e no que de fato pode te ajudar ou te prejudicar. Todo o resto são os velhos e batidos medo de se expor e medo do novo. Ou seja, pura espuma. Posta que passa. 

 

Ah, se você concorda comigo que, a despeito dessas opiniões todas, o mais bacana mesmo é trabalhar seu personal branding e ter as suas próprias respostas, pode começar baixando meu e-book gratuito. É só clicar na imagem abaixo para baixar esse texto com dicas que envolvem branding pessoal e autenticidade. Tá bem bonitinho e mega-aplicável, tá?

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

Please reload

Arquivo

Please reload