Quer estar em dia com meus textos e vídeos, saber antes dos workshops e receber descontinhos exclusivos?

Dúvidas? Fale comigo no bruna@brufioreti.com.br e me acompanhe pelas redes sociais.

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

Pausa produtiva é pausa bem aproveitada! Aqui, como curto as minhas

July 2, 2018

Escrevo muito sobre produtividade e sempre ressalto uma coisa: produtividade tem a ver com os seus objetivos, com o que de fato é importante pra você. Dito isso, ela pode e deve ter também a ver com aproveitar as chamadas COISAS SIMPLES DA VIDA, aquelas que parecem banais, podem soar bobas ou inúteis, e não só com emendar horas de trabalho. 

 

Fazer mais das coisas simples ou banais costuma ser a chave para uma vida mais feliz e equilibrada. Talvez não seja o seu caso, e OK! Mas é o meu. Eu sou agitada e um tiquinho ansiosa, trabalho mointooo, penso em projetos boa parte do tempo, atendo clientes individuais e empresas, adoro ler e estudar sobre os temas concernentes ao meu trabalho, saber o que está acontecendo em geral (alô, sou jornalista), postar nas redes sociais, escrever, gravar vídeos, dar cursos, palestras, falar sobre coaching e comportamento em almoços, cafés... Mas, ufaaa, também gosto de curtir os momentos pós-trabalho, aproveitar folgas e, claro, ter folgas. Acho essas pausas produtivíssimas e aprendi a desfrutá-las com zero ou pouquissima CULPA. 

 

 

 

As pausas são saudáveis, importantes para aumentar a criatividade e fontes de felicidade e bem-estar. Aproveito para lembrar que gostar de ter pausa não significa que você não ama o que faz. Significa apenas que você tem uma relação saudável com seu trabalho ou que tem mais de um interesse. Você adora o que faz e pode ter várias ideias e falar disso em momentos de folga? Claro que sim, acontece comigo direto! Mas o propósito de uma pausa é ser um "não trabalho". 

 

O que é um "não trabalho" pra você? 

Algo com o que não ganhe dinheiro?

Algo que não demande tanto da sua energia mental?

Algo que não drene tanto da sua energia física?

Algo com o qual não se sinta na obrigação de registrar/postar? 

 

A lista é sua... E ter clareza dela ajuda a definir o seu não trabalho, popularmente conhecido como... folga. 

 

 

Mas o que fazer nas suas folgas/pausas? Vejo muita gente se sentindo tão atribulada e pressionada, principalmente por si mesma, que não consegue nem saber o que fazer quando se vê diante de 24h ou 48h de ócio. Podia desfrutar o mais legítimo Dolce Far Niente, mas não sabe como, perdeu a mão... 

 

Tudo bem, a tia vai te ajudar nessa. Para isso, decidi mostrar o que eu faço nas minhas pausas, seja em dias de semana ou fins de semana. É uma lista tão particular e real que me sinto até meio exposta em contar aqui, mas sei que pode ajudar muita gente a se sentir bem.

 

Afinal, as ideias podem ser boas para alguém.

Ou podem não ser ideais, mas inspirar outras melhores que tenham a ver com você.

Alguém pode se sentir bem porque gosta de coisas tão bobas ou simples ou possíveis quanto eu...

Ou pode ter uma pessoa ou outra que ache meus divertimentos desinteressantes diante dos seus, e tudo bem!

 

Você entendeu. Então pegue a ideia na essência pra caprichar na sua definição de ser feliz, de descansar, de se divertir, de "pausar".  

 

Algumas das minhas estão aqui...  E não deixe de fazer a sua e de planejar seus divertimentos, apenas porque você merece!

 

1 - Ler sem hora para parar.  

 

Sou fissurada por leitura desde antes de aprender a ler (quando eu inventava histórias fingindo que estava lendo). Arrisco dizer que essa é a atividade mais prazerosa para mim até hoje. Se você sentiu a força nerd, tem toda razão! Quando criança, esperava as férias animada para ir à biblioteca da cidade pegar os 4 livros que podia alugar de uma vez e devorá-los na rede que ficava na garagem da minha casa. Também brincava de Barbie e jogava vôlei com as amigas, mas ler era tipo... O MEU MOMENTO! 

 

Sinônimo de descanso pra mim até hoje! E continuo a ler mais de um ao mesmo tempo, porque, quando um assunto enjoa, pulo para outro conforme meu mood do dia. 

 

Se não sabe o que ler e gosta de livros que tenham a ver com comportamento e coaching, vai lá no perfil Manual de Você no Instagram, onde toda semana dou pelo menos uma dica de leitura. 

 

 

 

2 - Caminhar em lugares novos

 

Quantos de nós mal conhecemos a cidade em que moramos? Quantos bairros e cantinhos desconhecidos para explorar? Às vezes, até o próprio bairro pode ser explorado de um jeito menos prático e mais divertido se for apenas para satisfazer a ideia de ser uma caminhada. Fora que caminhada faz bem para as saúdes mental e física, né?

 

Escolha um destino para explorar por fim de semana, coloque os tênis e vá. Eu vou de rasteirinha às vezes, até porque a ideia é andar mais devagar e parar em pontos que achar interessante. Uma distração gratuita e possível pra geral, né? 

 

3 - Botecar mineiramente. 

 

Está no Top 3 e não é à toa. Eu sou do interior de SP -- Vargem Grande do Sul --, estudei no interior também -- em Bauru -- e sou casada com um mineiro, de BH. O que isso quer dizer? Que eu gosto da botecagem desde sempre, tenho isso como hábito e que tenho um parceirão para isso. 

 

Botecar, assim mesmo, como verbo, é uma coisa especial porque independe do lugar. Pode ser num lugar supertranquilão, na padaria, no restaurante bacanão, no japa ou em casa. Isso pra mim. Envolve tomar algo e bater papos infinitos que provavelmente não terminam no mesmo dia. Geralmente envolve ficar nos petiscos ou entradas e nunca comer o prato principal -- não é comer e ir embora, entende?

 

Prefiro essa vibe infinitamente a festas e meu dia preferido para a prática é sábado à tarde. Sim, gosto de botecar mais durante o dia. Nossos preferidos e certeiros em SP (meu e do Will, meu partner): Pirajá, Rota do Acarajé e Bar Léo. Mas tem muito maissss... 

 

4 - Fazer pastas de décor no Pinterest. 

 

Porque distrai, porque inspira, porque é uma delícia. Escolha seu tema preferido e crie moodboards que tenham a sua cara. Já indiquei para muitas clientes fazer uma pasta de inspiração para estilo pessoal, é uma mão na roda para descobrir o que de fato você gosta, o que tem a ver com seu estilo atual e até organizar possíveis desapegos e compras. 

 

Quando o assunto é decoração então nem se fala! Dá para criar quadros para a maneira como pretende decorar a casa, opções de DIY e tal. 

 

Se você adora comprar online e vem exagerando, pode também trocar os sites de compras pelo Pinterest, se propondo a permanecer ali e a achar ideias para usar peças que já tenha em casa, por exemplo. O tipo de jogo mental que ajuda a consumir menos sem perder seu gosto por moda e pelo que é tendência.  

 

5 - Arrumar gavetas ouvindo sons da adolescência. 

 

É sobre criar uma atmosfera prazeirosa para alguma atividade que você precise fazer, como arrumar o guarda-roupa, organizar gavetas, fazer limpa em bolsas, regar plantas, organizar prateleira... Na boa, dependendo do som até lavar louça pode ser uma delícia! 

 

A melhor parte, claro, é o depois: a sensação de ter as coisas organizadas é incrível! Experimente fazer esse ritual em pequenas doses para ter sempre tudo o mais clean e organizado possível e evitar acúmulo de roupas, papeis, entulhos... Coisas que podem ser úteis ou recicladas e estão aí na sua casa acumulando energia! 

 

 

Minha trilha com pegada vintage, catártica, adolescente, randômica pró-arrumações? Ah, provavelmente vai ser um mix mucho loco de Legião Urbana, Alanis, Chico Buarque, Ira!, Zezé di Camargo e Luciano, Zé Ramalho, U2... Sem julgamentos, hein, coração!?  

 

6 - Tomar sol, lendo ou ouvindo um sonzinho suave. 

 

Tomar sol, mesmo que for na sombra, sacou? É sobre a situação colocar seu biquíni, ficar prostrada sem fazer nadinha, no silêncio, dar uma nadadinha ou só molhar os pés. Acho extremamente relaxante principalmente se não houver vivalma por perto. Levar um livro e esquecer o celular pode ser ótimo nessa hora. Eu geralmente cochilo -- e não se preocupe com meus melasmas, porque só aguento uns 20, 30 minutinhos no sol e já puxo a cadeira para a sombra. 

 

Gosto de fazer isso de manhãzinha em dias de semana quando posso ou no fim de semana, quando acordo mais tarde e está meio friozinho. 

 

É, prefiro tomar sol no frio... Mas eu mal tomo sol, são uns 20 minutinhos... Cada um com suas manias.

 

7 - Receber gente em casa, descalça e sem celular. 

 

Quando vou visitar meus pais nem levo sapato, já vou contando isso para vocês entenderem o que é um churrasco na minha família. E é o que geralmente fazemos como vou pra lá. Mas essa essência as gente carrega, né? Então, quando recebo em casa invariavelmente a coisa termina assim: eu descalça, Will tocando violão, a gente cantando e rindo, algumas cobertas na varanda, porque a gente estica e ali sempre esfria muito.

 

Por que você viu tão poucos registros ou nenhum desses dias de festa na minha casa? Porque provavelmente eu esqueci de pegar o celular! Isso acontece porque fico entretida com amigos, na maior parte das vezes estou cozinhando algo (eu amo), conversando... e simplesmente esqueço de postar. Acho meio que um bom sinal, e você?

 

8 - Pintar, desenhar, rabiscar e não mostrar pra ninguém. 

 

Não, voce não precisa ser um artista para querer fazer desenhos por diversão. A gente se cobra tanto ser bom em tanta coisa que se esquece de... BRINCAR! Qual a brincadeira que mais gostava na infância, e por que não vai la e brinca disso nas folgas? Que besteira essa amarra, não?

 

Eu amava desenhar e fui perdendo o hábito ao longo do tempo... Mas tenho papel e lápis sempre a postos pra isso até hoje, só falta parar e desenhar sem pensar em mais nada. Não precisa ficar bom, não precisa mostrar, não precisa ter uma utilidade. É só brincadeira.


Faço isso às vezes, mas assumo que deveria -- e vou! -- fazer mais. Qual é o equivalente do desenho pra você? 

 

9 - Visitar museu, galeria, ter algum contato com arte. 

 

Qual foi a última vez que você fez algum programa cultural? É enriquecedor pacas, mas parece que sai do nosso radar com uma facilidade imensa. Confesso que isso acontece comigo. Vira-e-mexe me vejo absorta nos compromissos do dia a dia e negligenciando idas a museus, feiras de arte, galerias, teatro...

 

Quem mora em SP não tem desculpas porque a cidade tem muitaaa programação, inclusive livre, né? Pensa em tudo o que está l;á no Catracalivre.com?! Também gosto do Guia da Folha e sigo os lugares de que gosto no Instagram para espiar o que está rolando por lá. 

 

 

10 - Tomar água de coco no parque. 

 

É uma proposta diferente da de caminhar a esmo pelas ruas da cidade ou até algum lugar. O parque é o programa em si e autoexplicativo. Hoje em dia vou ao Villa Lobos, que é o mais próximo para mim. E você, tem qual parque por perto para explorar aos domingos, tomar uma água de coco, sentar na grama e fazer uma fotossíntese básica, hã? 

 

 

 

11 - Cozinhar, de preferência algo novo.     

 

Eu adoro cozinhar, principalmente aperitivos, e tenho o maior prazer em fazer alguma ideia inspirada em algo que vi na internet ou li. Não sou do tipo que segue receitas nem se anima a fazer uma de 7 etapas complexas, mas curto uma cozinha de fim de semana, fazer algo para os amigos e amo os testes que a cozinha proporciona.

 

Ah, eu adoro meu próprio tempero, pronto-falei! E até para me alimentar de um jeito mais saudável nos dias da semana, gosto de ir pra cozinha no finde e deixar algumas coisas práticas prontas no congelador.    

 

Sabe o que acho? Que muita gente se cobra saber demais e não vai lá e se arrisca. Besteira! Para começar a cozinhar basta começar, fim. Acaba ficando divertido com o tempo. Topa tentar? 

 

12 - Assistir TV um dia inteiro embaixo da coberta com pipoca.

 

O maior clichê, mas com razão de ser, né? Confesso que não gosto de ver televisão sozinha. Se estiver só em casa, começo a ler e não ligo a TV, por pura falta de hábito. Mas acompanhada sou capaz de passar o dia entre reality shows de culinária e decoração e séries. Com cobertorzinho, pipoca e meus gatinhos encafofados, então, é de atrofiar as pernas de tanto sofá, meu bem!  

 

 

 

13 - Ir a um show de músicas catárticas. 

 

E quem define o que é música catártica é você, né? De "Evidências" a qualquer uma do Queen ou o hit hipster que pega aí no seu coraçãozinho. Cantar junto sem medo de ser feliz e de ser julgado é uma das melhores coisas, né? 

 

Veja também:

 

O meio do ano chegou, e o que você quer até o fim de 2018?

 

Aprenda a se aperfeiçoar como um alto executivo com dicas práticas de coaching!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

Please reload

Arquivo

Please reload